Projeto Político Pedagógico

Instituição: Instituto Federal de Alagoas - Ifal – campus Arapiraca Tipo de Curso: Superior de Tecnologia Nome: Curso Superior de Tecnologia em Sistemas Biomédicos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Grau Conferido: Tecnólogo/a em Sistemas Biomédicos Modalidade: Presencial Data do Início do Curso: 2024.1 Turno: Noturno Carga horária a distância: Não se aplica Carga horária da Prática Extensionista: 266 horas Carga Horária Total do Curso: 2.666 horas Duração mínima: 6 semestres Duração máxima: 12 semestres Quantidade Total de Vagas: 40 (quarenta) por turma Periodicidade da oferta: Anual Código CineBrasil: 0714S01 - Sistemas Biomédicos Ocupações CBO associadas: 1427-10 - Tecnólogo em Sistemas Biomédicos Endereço do campus: Rodovia AL-110, próximo à Rotatória da Polícia Rodoviária Estadual - Acesso Taquarana, Bairro Senador Arnon de Melo. Arapiraca, AL. CEP: 57302-045

Dados obtidos em pesquisas do IBGE (2021) indicam a situação de pobreza e até de miséria em que Alagoas está mergulhada, não obstante a existência de seus recursos naturais que poderiam apontar em direção à superação desse quadro se houvesse uma articulação de políticas públicas voltadas essencialmente para essa finalidade. O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas insere-se nesse contexto como uma instituição que se pretende eficaz na promoção de esforços para implementar uma política educacional que tenha como prioridades a construção, a produção e a socialização de conhecimento, que seja capaz de estabelecer uma interface com a realidade, tendo como um dos indicadores o mundo do trabalho sem, entretanto, deste se tornar refém ou mesmo guardião dos seus interesses. Na perspectiva do que apontam os princípios que fundamentam a educação nacional, consagrados na Constituição da República e na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, a educação praticada no Ifal deve ter caráter plural e visar precipuamente à formação de um cidadão inteiro, capaz de se reconhecer sujeito de direitos e deveres, capaz de se identificar como sujeito produtor de ideias e de conhecimento nos mais diversos campos do saber, da cultura e das artes e, sob nenhuma hipótese, tornar-se mera peça na complexa engrenagem do processo produtivo. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2021), Arapiraca integra o Território da Cidadania do Agreste em Alagoas, composto, ainda, pelos municípios de Campo Grande, Coité do Nóia, Craíbas, Feira Grande, Girau do Ponciano, Lagoa da Canoa, Limoeiro de Anadia, Estrela de Alagoas, Junqueiro, Igaci, Olho D'água Grande, Palmeira dos Índios, Traipu, São Sebastião e Taquarana. É uma região que vem despontando com grande perspectiva econômica nos últimos anos. Configurada produtivamente pela predominância da agricultura familiar, essa região tem o município de Arapiraca como cidade polo do seu desenvolvimento pela posição de convergência com dezenas de municípios. É, de fato, porta de acesso ao Sertão e ao Baixo São Francisco, sendo inclusive polo de comercialização da produção oriunda das mais variadas localidades do estado. Arapiraca é o segundo maior município de Alagoas. Sua economia está em constante crescimento, não apenas por sua localização favorável, mas também pela sua vocação natural ao empreendedorismo, com alternativas econômicas diversificadas que passam desde a agricultura, o comércio, a construção civil até a indústria e a logística da prestação de serviços. A localização geográfica e o desenvolvimento desse município oferecem ao Nordeste um grande centro de beneficiamento de matéria-prima e aquisição de produtos, funcionando como centro de distribuição, localizado bem no coração de Alagoas. No âmbito da produção industrial, a região de Arapiraca conta com algumas indústrias no ramo de plásticos, laticínios e alimentos, contemplando também várias empresas de distribuição de alimentos, além de evidenciar uma forte tendência para a indústria de móveis. A região dispõe, ainda, de um setor terciário pujante, com uma atividade comercial amplamente diversificada, e de um complexo de agências bancárias públicas e privadas. O município de Arapiraca centraliza ainda diversos serviços de saúde, atendendo a toda a região com hospitais, como o Hospital de Emergência e o Centro Hospitalar Manoel André, além de inúmeras clínicas que realizam exames complexos. Todo esse panorama evidencia a necessidade de constituição de um aporte em serviços de gerenciamento da manutenção em equipamentos de saúde, em condições de consubstanciar profissionais para demanda hospitalar da região, abrangendo clínicas, policlínicas, postos de saúde, Unidade de Pronto Atendimento (UPA), entre outras áreas de serviços de assistência à saúde. O Ifal, enquanto instituição de formação profissional, considerando o panorama anteriormente descrito e lançando mão da implementação da política pública de educação profissional e tecnológica do governo federal, por meio de projeto de expansão, e identificando o perfil da região do agreste, propõe-se a ofertar o Curso Superior de Tecnologia em Sistemas Biomédicos, de maneira a contribuir com a formação de profissionais para gestão de equipamentos em saúde, tendo em vista o incremento dos mais variados serviços de saúde deste estado. 2.1.1 DADOS CONTEXTUAIS DA REGIÃO O estado de Alagoas possui uma área de 27.779,3 km², com 102 municípios, e a sua população residente é de 3.127.683 pessoas (IBGE, 2022), distribuídas proporcionalmente por faixa etária tendo assim uma densidade demográfica de 112,33 hab/km². O estado possui ainda uma área urbanizada de 588,41 m², e a expectativa de vida é 77,5 anos (IBGE, 2022). O Produto Interno Bruto (PIB) no estado de Alagoas, de acordo com o setor econômico, apontou um crescimento nos seguintes setores: o setor agrícola cresceu 4,68%, pecuária 7,45%, e a produção florestal, pesca e aquicultura, crescimento de 0,49%; acompanhado do setor da indústria com crescimento de 7,6%; nos serviços o crescimento foi de 6,62% (IBGE, 2021). Em virtude de questões multifatoriais, Alagoas é um dos estados mais pobres da Federação, o que impõe à sua população nefastas consequências, traduzidas na carência e diversificação de indústrias, o que representa um forte indício de atraso econômico e de desenvolvimento. Segundo dados de pesquisas econômicas, Carvalho (2012), um terço do Produto Interno Bruto do estado é decorrente das transferências de recursos federais e das políticas sociais do governo federal. De acordo com Carvalho (2012), mais da metade da população alagoana depende dos recursos federais para sobreviver. Segundo pesquisas do IBGE (2021), o Índice de Desenvolvimento Humano no estado de Alagoas é de 0,684, o que leva a colocação no 26º lugar, no ranking de classificação nacional, ficando a frente somente do estado do Maranhão. Este dado ressalta um forte indício de atraso econômico e de desenvolvimento, o que impõe à população consequências na qualidade de vida da população alagoana. Em relação à taxa de desemprego, segundo dados do IBGE (2022), Alagoas apresenta a segunda menor taxa do Nordeste (9%), refletindo um movimento de crescimento econômico salutar. Outra característica do estado de Alagoas relaciona-se ao serviço de saúde, que, devido a condições econômicas, vincula-se essencialmente ao Sistema Único de Saúde - SUS, por isso, uma variável de extrema importância é o número de leitos existentes e sua relação com o número de leitos disponíveis para os internamentos no SUS. Nesta primeira parte, serão considerados todos os leitos, exceto os complementares destinados aos cuidados intermediários, intensivos e de isolamento, que serão apresentados em outro tópico. Em linhas gerais, dos 6.454 leitos existentes, 4.987 (77, 26%) são do SUS. Um dado necessário para análise, no tocante ao desenvolvimento dos serviços em saúde, é o número de leitos hospitalares disponíveis no estado de Alagoas, os quais até janeiro de 2023, segundo dados do Ministério da Saúde é de 6.444 (seis mil quatrocentos e quarenta e quatro) leitos, sendo 5.381 (cinco mil trezentos e oitenta e um) leitos destinados ao Sistema Único de Saúde - SUS e 1.168 (um mil cento e sessenta e oito) leitos privados, leitos destinados a internação hospitalar, dentre eles leitos intensivos, intermediários e clínicos (DATASUS, 2023). De acordo com o Plano Diretor de Regionalização – PDR (2011), do estado de Alagoas, Arapiraca é o município sede da 2ª Macrorregião de saúde, formada por 17 (dezessete) municípios, sendo referência para os serviços de média e alta complexidade ambulatorial e hospitalar no atendimento de cerca de 56 municípios. (Plano Municipal de Saúde 2022-2025 p. 75) O município de Arapiraca, localizado no centro do estado de Alagoas, é uma importante rota de acesso de várias cidades circunvizinhas, favorecendo o crescimento de serviços dentro do município, de acordo com o Plano Municipal de Saúde 2022-2025. Segundo o censo demográfico do IBGE (2022), o município de Arapiraca conta com 234.696 (duzentos e trinta e quatro mil seiscentos e noventa e seis) habitantes. O que gerou um crescimento de 71,1% entre os anos 1980 e 2020, segundo o Plano Municipal de Saúde 2022-2025 (p. 38, 2023). Em Arapiraca a assistência em saúde está ampliando a oferta de serviços em vários níveis de atenção, segundo o Plano Municipal de Saúde 2022-2025, existem cadastrados no Sistema de Cadastramento Nacional de Estabelecimentos de Saúde – SCNES, 110 (cento e dez) estabelecimentos de saúde de gestão municipal e 10(dez) estabelecimentos de saúde de gestão estadual. Segundo o Instituto de Pesquisa Aplicada - Ipea (Indicadores mensais do mercado de trabalho - março de 2023 - https://www.ipea.gov.br/cartadeconjuntura/wp-content/uploads/2023/05/230511_nota_10_indicadores_ mensais.pdf), observa-se: ● Taxa de desocupação (TD): a TD ficou em 8,8% em março de 2023, situando-se 2,0 p.p. abaixo da taxa registrada no mesmo período do ano passado (10,8%). Já os dados dessazonalizados indicam um ligeiro recuo em março (8,4%), na comparação com fevereiro (8,5%). ● População desocupada (PD): em março de 2023, o país possuía 9,4 milhões de desocupados, o que corresponde a um recuo de 19,2% ante o observado no mesmo mês de 2022 (11,6 milhões). Nos dados com ajuste sazonal (9,0 milhões), verifica-se retração de 0,9% do contingente de desocupados na comparação com fevereiro. ● População ocupada (PO): a PO somava aproximadamente 97,6 milhões de pessoas em março, o que representa expansão de 1,2% na comparação com março de 2022 (96,5 milhões). Na série livre de efeitos sazonais, o contingente de ocupados, em março de 2023, chegou a 98,3 milhões, avançando 0,2% em relação a fevereiro. ● Nível da ocupação (NO): em março, o NO, ou seja, a proporção de ocupados em relação à população em idade de trabalhar (PIA), era de 56,0%, situando-se em patamar 0,02 p.p. acima do registrado em março de 2022. Em relação a fevereiro, o dado dessazonalizado aponta estabilidade em março (56,4%). ● Subocupação: em março, 4,9 milhões de pessoas se declararam subocupadas, ou seja, trabalhavam menos de quarenta horas semanais, estavam disponíveis e queriam completar esta jornada, o que representa recuo de 28% na comparação com março de 2022 (6,8 milhões de pessoas). Com este resultado, a taxa combinada de desocupação e subocupação ficou em 13,4%, em março, mantendo-se 3,7 p.p. abaixo da taxa observada no mesmo período de 2022. Após a dessazonalização, a taxa observada em março (13,0%) recuou novamente, registrando o menor patamar desde abril de 2015. ● Força de trabalho (população economicamente ativa - PEA): em março, a PEA, que contempla a população ocupada - PO e a população que está à procura de emprego, isto é, a PD, era composta por 107 milhões de pessoas, ou seja, era 1,0% menor que o número observado no mesmo período de 2022 (108,1 milhões). Em termos dessazonalizados, a PEA manteve-se praticamente estável entre fevereiro e março, em torno de 107,2 milhões Considerando o exposto, torna-se imprescindível a articulação de políticas públicas voltadas essencialmente para qualificação profissional e inserção no mundo do trabalho. Assim, faz-se necessária a oferta de uma educação pública de qualidade, socialmente discutida e construída em processos participativos e democráticos, incorporando experiências que permitam acumular conhecimentos e técnicas, bem como dêem acesso às inovações tecnológicas e ao mundo do trabalho. O município de Arapiraca abriga um conjunto de estabelecimentos de saúde, de médio e grande porte, que atendem às demandas do agreste alagoano, constituindo-se num vasto campo de trabalho para o/a profissional com formação nessa área, além de poder atuar em diversas instituições públicas e privadas, dentre as quais podemos citar: a Universidade Federal de Alagoas – Ufal, a Universidade Estadual de Alagoas – Uneal, o Instituto Federal de Alagoas – Ifal, faculdades privadas, Unidade de Emergência Dr. Daniel Houly, Hospital Regional, Hospital Chama, Unimed, Casa de saúde Nossa Senhora de Fátima, Hospital do amor, Hospital Ágape (em fase de finalização), Hospital metropolitano (em construção), duas Unidades de Pronto Atendimento – UPA, Clínicas laboratoriais, Unidades Básicas de Saúde em Arapiraca e cidades circunvizinhas, Agência de Defesa Agropecuária de Alagoas – Adeal, Agência Regional dos Correios, Corporações dos Bombeiros Militares, Sede da Corporação da Polícia Militar, Delegacia Regional da Polícia Civil, hospitais da região, clínicas particulares, empresas etc. A oferta do Curso Superior de Tecnologia em Sistemas Biomédicos fundamenta-se no princípio de que em todas as organizações, desde as mais simples até as mais complexas (públicas e/ou privadas), compreende a necessidade de profissionais dessa área e oficializa que a atuação deles é essencial para o bom funcionamento de qualquer instituição que presta serviços de saúde. Veja abaixo a organização do sistema Municipal de Saúde, conforme o Plano municipal de saúde 2022-2025. Outro aspecto relevante é quanto à natureza social da área de sistemas biomédicos, que planeja o comissionamento e o decomissionamento de equipamentos médico-assistenciais assim como sua incorporação e sua obsolescência. Essa área profissional, por sua própria natureza de atividade-meio, está presente na maior parte das atividades de serviços em saúde. Pode-se dizer, de forma genérica, que as atividades de assistência estão direcionadas à oferta de serviços públicos e privados, os quais vêm crescendo na área de saúde e também na empresarial, com a implantação de unidades de saúde dentro das empresas. O serviço autônomo apresenta uma crescente demanda e, por isso, a procura por gestores com formação técnica vem sendo ampliada a cada dia. Essas características fazem com que os/as tecnólogos/as em Sistemas Biomédicos possam ser encontrados/as em praticamente todas as organizações públicas e privadas. Diante desse panorama e da necessidade atual do aumento de investimentos nos setores da economia e saúde de Arapiraca, há de se considerar o curso tecnológico em Sistemas Biomédicos como atividade imprescindível para a conquista de melhores resultados operacionais nas instituições ou organizações que buscam prestar um serviço de saúde de qualidade e atender à demanda exigida pelas políticas sociais na atualidade. Dessa forma, entende-se que tecnólogos/as em Sistemas Biomédicos são primordiais em toda e qualquer área de serviço de saúde, pois o aumento crescente da tecnologia e da informatização de equipamentos traz a necessidade de um/a profissional capacitado/a para gerir com qualidade uma gestão de manutenção e aquisição. Salienta-se que esse campo de atuação mostra-se cada vez mais procurado por empresas e instituições. O Estado brasileiro, ciente do seu papel e da necessidade de oferecer o suporte necessário para o crescimento, desenvolvimento e fortalecimento de serviços de saúde, ampliou a oferta de trabalho para os profissionais dessa área. Compreender a dinâmica municipal e regional é determinante nos processos de formulação e implementação de políticas públicas para os municípios, estados e para o País. Afinal, as pessoas, empresas e instituições estão localizadas nos municípios, e diagnósticos sobre esta realidade consistem em recursos necessários para o desenvolvimento local e regional. Segundo dados do Plano Municipal de Saúde 2022-2025, no município de Arapiraca existem 06 (seis) unidades de internamento hospitalar, disponibilizando um total de 761 leitos, divididos na escala municipal, estadual e privada. Estes números orientam o dimensionamento de profissionais da área da saúde dentro dos padrões legalmente estabelecidos. Portanto, a oferta do curso de tecnologia em Sistemas Biomédicos, ofertado de forma gratuita no Município de Arapiraca, poderá auxiliar no processo de qualificação dos profissionais arapiraquenses, servindo de porta para aquela população de baixa renda, ou que não apresenta condições de arcar com as despesas desse curso em instituições privadas. As instituições privadas de ensino são atualmente a única porta de entrada desse perfil de profissional em Arapiraca e no estado de Alagoas. Lembrando que a atual Política de Melhoramento da Qualidade na Assistência, proposta pelo Ministério da Saúde, busca orientar e estimular o cumprimento desses dimensionamentos e formação e assistência de qualidade para profissionais e usuários/as do sistema de saúde, tendo como objetivo incentivar os gestores a melhorar a qualidade dos serviços de saúde oferecidos aos cidadãos/ãs. A meta é garantir um padrão de qualidade por meio de um conjunto de estratégias de qualificação, acompanhamento e avaliação do trabalho das equipes de saúde. 2.1.2 VOCAÇÃO REGIONAL E IMPORTÂNCIA DO CURSO PARA A REGIÃO Formação profissional de cidadãos/ãs, fundamentados/as em bases humanística, científica-tecnológica, capazes de desenvolver atividades voltadas para o gerenciamento da manutenção de equipamentos de saúde, presentes em hospitais, postos de saúde, UPAs, clínicas, entre outras. Promovendo, desta forma, uma melhor qualidade dos serviços prestados à saúde necessários à região, requeridos por uma perspectiva de desenvolvimento sustentável. A Política de melhoramento da assistência eleva os recursos do incentivo federal para os municípios participantes que atingirem melhora no padrão de qualidade no atendimento, ampliando a oferta de serviços e estrutura nos níveis primários, secundários e terciários de saúde, expandindo assim a oferta de vagas para os/as profissionais tecnólogos/as em Sistemas Biomédicos. Essa política vem subsidiando ainda mais a importância e a necessidade de uma instituição pública federal poder atuar na formação de profissionais de qualidade e com a legitimação que todos os/as cidadãos/ãs, independente da classe social ou renda familiar, possam ter acesso à profissionalização e atuar de forma igualitária no mundo do trabalho em expansão no município de Arapiraca. Sabendo também que Arapiraca possui um conjunto de sistemas de atendimento à saúde que contempla: 01 hospital especializado; 04 hospitais gerais; 01 unidade de emergência; 20 unidades de apoio ao diagnóstico; 26 clínicas/centros de especialidades e 09 centros de referência. Isso demonstra a existência de demanda para essa área de atuação neste município, sem contar com as regiões circunvizinhas. Ressalta-se que o Campus do Ifal Arapiraca se encontra em uma posição geograficamente privilegiada, atendendo também aos municípios circunvizinhos, tornando-se o ponto de referência para a região metropolitana do agreste alagoano, proporcionando uma oferta real de capacitação profissional para jovens e adultos que não têm condições de arcar com a onerosa oferta de cursos tecnológicos em Sistemas Biomédicos pelas instituições privadas, além de contribuir para minimizar as carências desses profissionais no município e regiões adjacentes.

O/A Tecnólogo/a em Sistemas Biomédicos formada/o no Ifal campus Arapiraca deverá ter perfil que contemple múltiplos conhecimentos e saberes, relacionados tanto ao escopo técnico da gestão de ativos em saúde quanto às questões socioeconômicas e ambientais inerentes à profissão. O/A Tecnólogo/a em Sistemas Biomédicos deverá ter o conhecimento das Tecnologias de equipamentos médicos, informática médica e das instalações hospitalares, tendo como função prioritária o gerenciamento de equipes de manutenção e administração do conjunto de aparelhos usados em hospitais e clínicas. Tais conhecimentos, teóricos e práticos, permitem o desenvolvimento das competências necessárias à realização das atividades da profissão, que envolvem a instalação, o uso, a manutenção e a gestão de equipamentos médicos. A/O egressa/o deverá ser capaz de: planejar o comissionamento e o decomissionamento de equipamentos médico-assistenciais, assim como sua incorporação e sua obsolescência; instalar e operacionalizar tais equipamentos; treinar e capacitar profissionais da saúde a operar equipamentos médico-assistenciais; gerenciar, supervisionar e coordenar procedimentos de manutenções corretivas, preventivas e preditivas em equipamentos médico-assistenciais; elaborar e executar procedimentos técnicos e normativos relativos à assistência técnica e usabilidade desses equipamentos; implantar, manter e avaliar rotinas de funcionalidade com qualidade e de redução de riscos dos equipamentos médico-assistenciais; integrar equipes de projetos e de pesquisas aplicadas; assessorar equipes gerenciais de instituições de saúde; vistoriar e realizar perícia; avaliar e emitir laudo e parecer técnico em sua área de formação. Em se tratando da atuação específica, a/o egressa/o deverá possuir conhecimentos e saberes nas seguintes áreas: Conhecimento dos equipamento de saúde e suas tecnologias ● Avaliar a necessidade de aquisição de equipamentos em saúde e suas tecnologias para os serviços de saúde; ● Executar a instalação dos equipamentos de acordo com as normas. técnicas dos ambientes assistenciais e manuais específicos; ● Planejar formação técnica e operacional sobre equipamento de saúde presentes no inventário; Gerenciamento da manutenção ● Implantar estrutura da manutenção dos ativos em saúde; ● Escolher um software para auxiliar o gerenciamento da manutenção; ● Fazer o inventário do parque tecnológico presente no ambiente assistencial de saúde; ● Planejar os checklist das manutenções preventivas de acordo com os manuais técnicos e os históricos de falhas; ● Desenvolver relatórios com o desempenho da manutenção; ● Avaliar o desempenho dos equipamentos de saúde em seu ciclo de vida até a sua obsolescência; ● Acompanhar os contratos de manutenção externos e avaliar a qualidade de seus serviços. Gerenciamento de Risco em Tecnovigilância ● Treinar a equipe técnica para prevenir os eventos adversos em Equipamentos Médico-Assistenciais; ● Implementar uma política de segurança em Equipamentos Médico-Assistenciais; ● Protocolar a ocorrência perante o portal da tecnovigilância e acompanhar o processo até a sua conclusão; ● Avaliar as causas apresentadas perante a ocorrência de algum evento adverso. Certificação da Qualidade ● Identificar as necessidades para adequação aos padrões de qualidade necessários à certificação; ● Realizar os ajustes necessaŕios para o cumprimento das normas e exigências pertinentes ao processo de certificação; ● Acompanhar a qualidade dos serviços prestados tendo como parâmetros os mapas de avaliação pré-determinados para a garantia de qualidade. Pesquisa e Extensão ● Desenvolver competências em estratégias metodológicas aplicáveis à pesquisa científica; ● Desenvolver a visão crítica e reflexiva acerca da atuação profissional, além de estimular e divulgar a produção científica responsável e de qualidade, promovendo benefícios para a sociedade. ● Promover atividades de integração e de extensão entre as comunidades locais, empresas de manutenção, curso de enfermagem e outros, de modo a facilitar a disseminação de conhecimentos de tecnologias em Sistemas Biomédicos; ● Planejar, executar e avaliar experimentos tecnológicos de modo a produzir informação que reflita as particularidades locais do ambiente. Um/a profissional com esse perfil poderá atuar em diversas áreas ligadas ao setor de Sistemas Biomédicos, tais como: Hospitais, clínicas, policlínicas, postos de saúde, laboratórios. Indústrias, distribuidoras, representantes, prestadoras de serviços e órgãos regulamentadores de equipamentos médico-assistenciais. Institutos e Centros de Pesquisa. Instituições de Ensino, mediante formação requerida pela legislação vigente (BRASIL, 2016, p. 17).

O contexto histórico-social do século XXI traz, inexoravelmente, a necessidade do uso de metodologias que possibilitam a formação de um profissional crítico e ético, capaz de identificar e auxiliar a resolução das demandas do planeta. Desta forma a dinamização metodológica que parte da problematização da realidade com a finalidade de compreendê-la, de construir o conhecimento capaz de transformá-la, acentuar a descoberta, a participação em grupo, a autonomia e a iniciativa, tornou-se imprescindível. Nesse sentido, destaca-se que as Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDICS) têm uma grande importância nos cursos de graduação, invadindo todas as áreas do conhecimento. Assim, o curso de Sistemas Biomédicos do campus Arapiraca privilegiará o uso de outras ferramentas que auxiliem no processo de ensino e aprendizagem. Para isso, o curso conta com laboratórios de informática que são usados para atividades que envolvam processamento da linguagem e análise de dados e data-shows disponíveis em cada sala de aula para que as tecnologias possam ser incorporadas como procedimento metodológico. Há também atendimento individualizado aos discentes descrito no Plano Individual de Trabalho (Pit) de cada docente, apontando o horário destinado para o que possibilita aos alunos um complemento à aprendizagem e consequente melhor desempenho acadêmico. Há ainda suporte às atividades educacionais desenvolvidas através das tecnologias de informação e comunicação, com diversos recursos como o Padlet, o Sigaa, o Google Classroom e, também, o site do curso que permitem uma gestão do conteúdo da disciplina pelo professor, que pode organizá-los da forma mais adequada a atender aos objetivos da disciplina. Ademais, por meio das ferramentas do Sigaa e do Google Classroom, o aluno tem o acesso à disciplina a qualquer tempo e em qualquer lugar. Nesses recursos, os discentes podem ter acesso à bibliografia, aos textos e slides das aulas, para autoestudo; assistir as videoaulas; consultar o calendário acadêmico; ter acesso às suas notas; interagir com o docente e com os outros alunos do curso; realizar atividades; participar de fóruns; dentre outras funcionalidades.

Nenhum conteúdo disponível até o momento

A avaliação de aprendizagem do curso superior de tecnologia em Sistemas Biomédicos, em conformidade com o Projeto Político Pedagógico Institucional do Ifal, está fundamentada em uma concepção emancipatória, observando-se aspectos cognitivos, afetivos e psicossociais dos/as estudantes, apresentando-se em três momentos avaliativos: diagnóstico, formativo e somativo, além de momentos coletivos de autoavaliação entre os sujeitos do processo de ensino e aprendizagem. Deverão se estabelecer estratégias pedagógicas que garantam preponderância dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos e, para efeito de registro de resultado de aprendizagem, serão adotados os procedimentos constantes nas Normas de Organização Didática do Ifal. A avaliação do rendimento escolar observará os seguintes critérios: frequência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento) em cada componente curricular. Os resultados de aprendizagem das/os estudantes serão expressos numa escala de 0 (zero) a 10 (dez) pontos, sendo considerada/o aprovada/o, em cada componente curricular, aquela/e que obtiver, no mínimo, média semestral 7,0 (sete) ou, no mínimo, média final 5,0 (cinco), caso seja submetido à prova final. A equação que indica a média semestral é dada por: 𝑀𝑆 = 𝑉𝐴1 + 𝑉𝐴2 2 ≥ 7 De forma que: MS = Média Semestral e VA1 e VA2 = Verificações de Aprendizagem. Será submetido à prova final, por componente curricular, a/o estudante que obtiver média semestral maior ou igual a 4,0 (quatro) e menor que 7,0 (sete) e frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento), sendo adotada a fórmula a seguir para cálculo da média final (MF): 𝑀𝐹 = 𝑀𝑆 + 𝑁𝐴𝐹 2 ≥ 5 De forma que: MF = Média final, MS = Média Semestral e NAF = Nota na avaliação final Serão obrigatórias, no mínimo, duas verificações de aprendizagem em cada componente curricular, durante o período letivo. Será concedida avaliação substitutiva, ao final do período, à/ao estudante que deixar de ser avaliado por ausência, por motivo superior, devidamente comprovado: será concedida apenas 01 (uma) avaliação substitutiva por componente curricular; a avaliação substitutiva versará sobre o conteúdo programático referente à avaliação não realizada pela/o estudante e ocorrerá no período previsto no calendário acadêmico. Ressalte-se que, conforme as Normas de Organização Didática do Ifal, os/as estudantes com necessidades educacionais específicas decorrentes de “deficiências”, de altas habilidades/superdotação, transtornos globais de desenvolvimento ou outros transtornos de aprendizagem, serão acompanhados/as pelo Núcleo de Atendimento às Pessoas com Necessidades Específicas - Napne do campus Arapiraca. Nesse sentido, o Napne atuará junto aos/às professores/as e às pessoas acompanhadas pelo Núcleo, com o objetivo de auxiliá-los/as na “adequação do currículo, nos processos avaliativos e no cotidiano escolar” (art.7º, VI, da Resolução nº 45/CS/2014) (Ifal, 2014)

Baixar Arquivo
SIGAA | DTI - Diretoria da Tecnologia de Informação - IFAL - www.ifal.edu.br | Copyright © 2006-2024 - UFRN - app-02-sig.instancia2 28/05/2024 06:40