Projeto Político Pedagógico

O egresso do Curso de Bacharelado em Química Industrial deverá ser capaz: • Dominar as técnicas básicas de utilização de laboratórios e equipamentos necessárias para garantir a qualidade dos serviços prestados e para desenvolver e aplicar novas tecnologias, de modo a ajustar-se à dinâmica do mercado de trabalho. • Direcionar as transformações da matéria, observadas nas indústrias e laboratórios, para controlar os produtos obtidos nos processos industriais. • Saber interpretar criticamente as etapas, efeitos e resultados, aplicando abordagens criativas à solução dos problemas e desenvolvendo novas aplicações e tecnologias. • Ter capacidade para assumir responsabilidades técnicas, prestar assistência, assessoria, consultoria, realizar vistorias, laudos e atestados no âmbito da Química e da tecnologia química. • Possuir condições de exercer plenamente a sua cidadania e, enquanto profissional, respeitar o direito à vida e ao bem-estar dos cidadãos que, direta ou indiretamente, possam vir a ser atingidos pelos resultados de suas atividades. • Possuir habilidade suficiente em Matemática e modelos probabilísticos teóricos para compreender conceitos de Química e de Física, contribuindo para interpretar as diferentes formas de representação como tabelas, gráficos, símbolos e expressões. • Possuir capacidade crítica para analisar os processos éticos na pesquisa e no trabalho de rotina, reconhecendo os limites éticos envolvidos na pesquisa e na aplicação do conhecimento científico e tecnológico. • Saber trabalhar em equipe e ter uma boa compreensão das diversas etapas que compõem um processo industrial ou uma pesquisa, sendo capaz de planejar, coordenar, executar ou avaliar atividades relacionadas à Química ou a áreas correlatas. • Ter curiosidade intelectual e interesse pela investigação científica e tecnológica, de forma a utilizar o conhecimento científico e socialmente acumulado, na produção de novos conhecimentos respeitando o direito à vida e ao bem-estar dos cidadãos. • Conhecer as propriedades físicas e químicas principais dos elementos e compostos químicos que possibilitem entender e prever o seu comportamento físico-químico e aspectos de reatividade, mecanismos e estabilidade. • Saber comunicar corretamente os projetos e resultados de pesquisa na linguagem científica, oral e escrita (periódicos, relatórios, pareceres, “posters”) em idioma pátrio e estrangeiro (especialmente inglês e/ou espanhol). • Saber investigar os processos naturais e tecnológicos, controlando variáveis, identificando irregularidades, interpretando e propondo soluções. • Saber elaborar projetos de pesquisa e de desenvolvimento de métodos, produtos e aplicações em sua área de atuação. • Possuir conhecimento dos procedimentos e normas de segurança no trabalho, inclusive para expedir laudos de segurança em laboratórios, indústrias químicas e biotecnológicas. • Saber atuar em laboratório químico, sendo capaz de selecionar, comprar e manusear equipamentos e reagentes. • Saber realizar avaliação crítica da aplicação do conhecimento em Química, tendo em vista o diagnóstico e o equacionamento de questões sociais e ambientais. • Saber realizar o controle de operações ou processos químicos no âmbito de atividades de indústria, vendas, “marketing”, segurança, administração pública e outras nas quais o conhecimento da Química seja relevante. • Ter capacidade de determinar e difundir e/ou utilizar o conhecimento relevante para a comunidade. • Ser capaz de atender às exigências do mundo do trabalho, com visão ética e humanística, tendo capacidade de vislumbrar possibilidades de ampliação do mesmo, visando atender às necessidades atuais. Durante a sua vida profissional, deverá ser despertado um senso crítico que possibilite a prática das seguintes atitudes: • Compromisso com a ética profissional. • Responsabilidade social e ambiental. • Espírito empreendedor. • Engajamento em processo contínuo de educação profissional.

O perfil do curso de Bacharelado em Química Industrial do IFAL - Campus Penedo será voltado para a formação de profissionais aptos a atuarem na área industrial de Química, contribuindo de forma significativa para o desenvolvimento industrial da região e do Estado de Alagoas, bem como os estados circunvizinhos. O curso de graduação em Química Industrial é regulamentado pela Resolução CNE/CES N° 8 de 11 de março de 2002 e pelo CNE/CES Nº 1.303 de 06 de novembro de 2001, vinculado ao Ministério da Educação. Além disso, tomam por base aResolução Ordinária N° 1.511 de 12 de dezembro de 1975 como Currículo de Química, elaborados pelo Conselho Federal de Química (CFQ). Neste contexto, a organização curricular do curso está estruturada de acordo com a representação gráfica se encontram nas Figuras 2, 3 e 4. Também são contempladas no currículo as atividades de formação complementar, trabalhos de conclusão de curso e de extensão.

O egresso do Curso de Bacharelado em Química Industrial deverá ser capaz: • Dominar as técnicas básicas de utilização de laboratórios e equipamentos necessárias para garantir a qualidade dos serviços prestados e para desenvolver e aplicar novas tecnologias, de modo a ajustar-se à dinâmica do mercado de trabalho. • Direcionar as transformações da matéria, observadas nas indústrias e laboratórios, para controlar os produtos obtidos nos processos industriais. • Saber interpretar criticamente as etapas, efeitos e resultados, aplicando abordagens criativas à solução dos problemas e desenvolvendo novas aplicações e tecnologias. • Ter capacidade para assumir responsabilidades técnicas, prestar assistência, assessoria, consultoria, realizar vistorias, laudos e atestados no âmbito da Química e da tecnologia química. • Possuir condições de exercer plenamente a sua cidadania e, enquanto profissional, respeitar o direito à vida e ao bem-estar dos cidadãos que, direta ou indiretamente, possam vir a ser atingidos pelos resultados de suas atividades. • Possuir habilidade suficiente em Matemática e modelos probabilísticos teóricos para compreender conceitos de Química e de Física, contribuindo para interpretar as diferentes formas de representação como tabelas, gráficos, símbolos e expressões. • Possuir capacidade crítica para analisar os processos éticos na pesquisa e no trabalho de rotina, reconhecendo os limites éticos envolvidos na pesquisa e na aplicação do conhecimento científico e tecnológico. • Saber trabalhar em equipe e ter uma boa compreensão das diversas etapas que compõem um processo industrial ou uma pesquisa, sendo capaz de planejar, coordenar, executar ou avaliar atividades relacionadas à Química ou a áreas correlatas. • Ter curiosidade intelectual e interesse pela investigação científica e tecnológica, de forma a utilizar o conhecimento científico e socialmente acumulado, na produção de novos conhecimentos respeitando o direito à vida e ao bem-estar dos cidadãos. • Conhecer as propriedades físicas e químicas principais dos elementos e compostos químicos que possibilitem entender e prever o seu comportamento físico-químico e aspectos de reatividade, mecanismos e estabilidade. • Saber comunicar corretamente os projetos e resultados de pesquisa na linguagem científica, oral e escrita (periódicos, relatórios, pareceres, “posters”) em idioma pátrio e estrangeiro (especialmente inglês e/ou espanhol). • Saber investigar os processos naturais e tecnológicos, controlando variáveis, identificando irregularidades, interpretando e propondo soluções. • Saber elaborar projetos de pesquisa e de desenvolvimento de métodos, produtos e aplicações em sua área de atuação. • Possuir conhecimento dos procedimentos e normas de segurança no trabalho, inclusive para expedir laudos de segurança em laboratórios, indústrias químicas e biotecnológicas. • Saber atuar em laboratório químico, sendo capaz de selecionar, comprar e manusear equipamentos e reagentes. • Saber realizar avaliação crítica da aplicação do conhecimento em Química, tendo em vista o diagnóstico e o equacionamento de questões sociais e ambientais. • Saber realizar o controle de operações ou processos químicos no âmbito de atividades de indústria, vendas, “marketing”, segurança, administração pública e outras nas quais o conhecimento da Química seja relevante. • Ter capacidade de determinar e difundir e/ou utilizar o conhecimento relevante para a comunidade. • Ser capaz de atender às exigências do mundo do trabalho, com visão ética e humanística, tendo capacidade de vislumbrar possibilidades de ampliação do mesmo, visando atender às necessidades atuais. Durante a sua vida profissional, deverá ser despertado um senso crítico que possibilite a prática das seguintes atitudes: • Compromisso com a ética profissional. • Responsabilidade social e ambiental. • Espírito empreendedor. • Engajamento em processo contínuo de educação profissional.

O processo de avaliação da aprendizagem, segundo defende o Projeto Político Pedagógico Institucional (PPPI) do IFAL, estabelece estratégias pedagógicas para que o docente possa, inicialmente, detectar os conhecimentos prévios dos discentes, denominada avaliação diagnóstica. Em seguida, existe a adequação das atividades de ensino às necessidades de aprendizagem dos discentes, que consiste no processo de avaliação formativa, em sintonia com o plano de componentes curriculares, a fim de orientar as ações educativas. Por último, a avaliação somativa visa aferir, quantitativamente, o desempenho dos discentes por meio dos instrumentos de avaliação, tais como: provas, trabalhos, pesquisas, projetos etc. Os resultados dessa avaliação adotam os seguintes procedimentos: ● Aprovação em cada componente curricular obtendo, no mínimo, média semestral 7,0 (sete), expressa em uma escala de 0 (zero) a 10 (dez) pontos, ou média final 5,0 (cinco), caso seja submetido à prova final, considerando frequência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento) em cada componente curricular; ● Realização de no mínimo duas verificações de aprendizagem em cada componente curricular, durante o período letivo; ● Será concedida avaliação substitutiva, ao final do período, ao discente que deixar de ser avaliado por ausência justificada, mediante comprovação de atestados médicos, declarações de trabalho etc; ● Será submetido à prova final, por componente curricular, o discente que obtiver média semestral maior ou igual a 4,0 (quatro) e menor que 7,0 (sete) com frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento).

Nenhum conteúdo disponível até o momento

Na perspectiva de assegurar a efetivação do Curso será desencadeado um processo permanente de avaliação do Projeto Pedagógico, tendo em vista possibilitar a consistência necessária à formação docente dele decorrente. Competirá ao Núcleo Docente Estruturante, em consonância com o Colegiado, o acompanhamento e a avaliação do Curso, como preveem a Resolução Nº 01 do CONAES, de 17/06/2010 e o normativo institucional vigente, as seguintes atribuições: I. Contribuir para a consolidação do perfil profissional do egresso do curso; II. Zelar pela integração curricular interdisciplinar entre as diferentes atividades de ensino constantes no currículo; III. Indicar formas de incentivo ao desenvolvimento de linhas de pesquisa e extensão, oriundas de necessidades da graduação, de exigências do mercado de trabalho e afinadas com as políticas públicas relativas à área de conhecimento do curso; IV. Zelar pelo cumprimento das Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação. O Núcleo Docente Estruturante (NDE) do Curso de Bacharelado em Química Industrial do IFAL – Campus Penedo é um órgão consultivo e de assessoramento vinculado ao Colegiado do Curso, com o objetivo de implementar, acompanhar e atuar no processo de concepção, avaliação, desenvolvimento, consolidação e atualização do Projeto Pedagógico do Curso.O NDE é o composto de 5 (cinco) representantes do Corpo Docente (Professores Efetivos, com titulação em nível de Pós-Graduação stricto sensu e com experiência docente), vinculados ao Curso (com no mínimo 1/3 de suas atividades didáticas ligadas ao Curso de Bacharelado em Química Industrial do IFAL/Penedo) e eleitos mediante Consulta realizada pelo Colegiado do Curso para cumprirem mandato de 3 (três) anos, sendo os membros efetivos indicados por unanimidade do colegiado, tendo ainda a participação do Coordenador do Curso como integrante nato do núcleo. Para a execução de suas funções, o NDE reúne-se, ordinariamente, em regime bimestral e, extraordinariamente, quantas vezes forem necessárias, sob a presidência do Coordenador do NDE ou seu substituto legal. As reuniões ordinárias têm duração máxima de 4 (quatro) horas e as reuniões extraordinárias, duração máxima definida ao início da reunião. Os encaminhamentos do NDE são definidos por maioria simples dos membros presentes na reunião. As atas das reuniões são lavradas e encaminhadas para o Colegiado do Curso com fins de subsidiar análises e deliberações. O NDE participa no assessoramento do Colegiado do Curso no processo de elaboração e desenvolvimento do Projeto Pedagógico do Curso, com base nas Diretrizes Curriculares Nacionais, mantendo atualizado o currículo do curso, em observação aos objetivos do ensino superior, ao perfil do egresso desejado, características e necessidades regionais da área e do mercado de trabalho. Cabe ainda ao núcleo analisar e promover mecanismos para atualização das ementas dos componentes curriculares constantes do currículo pleno do curso e, posteriormente, encaminhá-las às respectivas instâncias superiores. Além disso desenvolve e/ou aplica métodos e técnicas para a autoavaliação do Projeto Pedagógico do Curso, propondo, quando cabível, as alterações que se fizerem necessárias e mantém em arquivo todas as informações de interesse do curso, inclusive atas de suas reuniões, a fim de zelar pelo cumprimento das exigências legais. No que tange os mecanismos avaliativos a serem implementados devem contemplar uma dimensão institucional e uma dimensão de desempenho acadêmico, emconformidade com os preceitos previstos para a avaliação da educação superior delineados pelo MEC/INEP. O curso será também submetido ao crivo da sociedade através das ações docentes e discentes expressas na produção acadêmica e nas atividades desenvolvidas no âmbito dos espaços de atuação profissional. Poderá ser adotado o roteiro proposto pelo INEP/MEC para a avaliação das condições de ensino o qual se constitui dos seguintes tópicos: 1. Organização didático-pedagógica: administração acadêmica, projeto do curso, atividades acadêmicas articuladas ao ensino de graduação. 2. Corpo docente: formação profissional, condições de trabalho, atuação e desempenho acadêmico e profissional. 3. Infraestrutura: instalações gerais, biblioteca e laboratórios específicos. A avaliação do desempenho docente será efetivada pelos alunos através de formulário próprio e de acordo com o processo de avaliação institucional. Outro aspecto de relevância no projeto é a dimensão coletiva de sua implementação, sobretudo, no âmbito da prática pedagógica enquanto componente curricular traduzida nos vários laboratórios de ensino. Atividades estas, que tem como princípio fundamental a atuação coletiva entre docentes e discentes, cuja dinâmica de sua efetividade alimenta-se no processo coletivo de avaliação.

Nenhum conteúdo disponível até o momento
SIGAA | DTI - Diretoria da Tecnologia de Informação - IFAL - www.ifal.edu.br | Copyright © 2006-2022 - UFRN - app-01-sig.instancia1 16/08/2022 11:14